WONDERFUL!

"Nothing’s Gonna Change My Love For You" is a popular song by Gerry Goffin and Michael Masser.

It was originally recorded by George Benson for his 1985 album 20/20.

Quase dois anos
…sem o melhor cachorro-quente do mundo, quer dizer, do Carmelito, sem o buffet de sorvete da Sorvebom ou o expresso de uva e leite condensado do Urso Branco (não lembro se é esse nome!), sem a conta negativa no Banco do Brasil, sem as sextas do Café Virtual ou os carnês das Lojas Dullius.
…sem as tardes de piscina com cerveja, noites de inverno regadas à janta e vinho, madrugadas com as minhas PPP’s e a finaleira no morte-lenta.
…sem a bagunça da família reunida, o churras do Bício, o chimarrão que não “puxa” da mãe, a pipoca de chocolate da Nine, sem ver “minhas” crianças crescerem ficando mais altas do que eu.
…sem a galinha escabelada da Jô, o strogonoff de cominho da Má, a sopa de ervilha do Cesar, os filmes de “terror” da Aline ou o abraço com “nhonhonhom” da Dauzinha.
…sem o vinho da rodoviária com a Nega, sem perder o carro com a Tatinha, sem as caipas de vinho da Tati, sem os petelecos da Ju nas “oreia”, sem a massa deliciosa da Michi, sem ver a Fe com a Tchutchuca pra cima e pra baixo, sem ouvir a Pri me chamando de minha vovozona, sem relembrar os tempos de Arroio do Meio com a Prima ou sem os reencontros sempre marcantes com meus queridos amigos de infância da minha linda Trave city.
…enfim, melhor eu parar porque logicamente essa lista não tem fim. 
Um beijo pra todos, em especial pro Carmelito e pro Beto, não esquecendo da Sandra e o Evaristo!

Quase dois anos

…sem o melhor cachorro-quente do mundo, quer dizer, do Carmelito, sem o buffet de sorvete da Sorvebom ou o expresso de uva e leite condensado do Urso Branco (não lembro se é esse nome!), sem a conta negativa no Banco do Brasil, sem as sextas do Café Virtual ou os carnês das Lojas Dullius.

…sem as tardes de piscina com cerveja, noites de inverno regadas à janta e vinho, madrugadas com as minhas PPP’s e a finaleira no morte-lenta.

…sem a bagunça da família reunida, o churras do Bício, o chimarrão que não “puxa” da mãe, a pipoca de chocolate da Nine, sem ver “minhas” crianças crescerem ficando mais altas do que eu.

…sem a galinha escabelada da Jô, o strogonoff de cominho da Má, a sopa de ervilha do Cesar, os filmes de “terror” da Aline ou o abraço com “nhonhonhom” da Dauzinha.

…sem o vinho da rodoviária com a Nega, sem perder o carro com a Tatinha, sem as caipas de vinho da Tati, sem os petelecos da Ju nas “oreia”, sem a massa deliciosa da Michi, sem ver a Fe com a Tchutchuca pra cima e pra baixo, sem ouvir a Pri me chamando de minha vovozona, sem relembrar os tempos de Arroio do Meio com a Prima ou sem os reencontros sempre marcantes com meus queridos amigos de infância da minha linda Trave city.

…enfim, melhor eu parar porque logicamente essa lista não tem fim. 

Um beijo pra todos, em especial pro Carmelito e pro Beto, não esquecendo da Sandra e o Evaristo!

Aquela que sabe amar sem medida, que consegue me motivar mesmo estando sem motivação, que fica com dor de cabeça se não toma o chimarrão matinal, que perde a agenda pelo menos umas sete vezes por mês, que faz a melhor carne de panela e massa caseira do mundo e que ronca até sem ter dormido (“ainda nem peguei no sono!”, diz ela). Aquela que reclama estar cansada de tanto trabalhar mas não abandona a venda dos seus queridos cosméticos Pierre Alexander por nada nesse mundo. Aquela por quem meu coração quase pára de tanta saudade. Aquela que não pode ficar muito tempo longe de casa pois tem nosso querido Zug pra cuidar, dando comida, sorvete, pipoca (como toda vó faz) ao invés de ração. Vive querendo achar alguém pra cuidá-lo mas quando acha percebe que não vive mais sem o inigualável bichano. Até ar condicionado o bicho  tem pra passar esse terrível verão gaúcho. Aquela que tem fé infinita nos fazendo acreditar em milagres. Aposto que ainda vai virar pastora. Aquela que é minha heroína, sendo vencedora diária dessa batalha chamada Vida. Aquela que construiu essa família linda e iluminada da qual sinto falta em todos os minutos do meu dia. Aquela que amanhã, dois de fevereiro, competa 70 ANOS de beleza, disposição e saúde! PARABÉNS MINHA GUERREIRA! Meu AMOR é tão grande que fica impossível expressá-lo apenas em palavras. TE AMO, MÃE!!! Beijos e abraços sem fim.

Aquela que sabe amar sem medida, que consegue me motivar mesmo estando sem motivação, que fica com dor de cabeça se não toma o chimarrão matinal, que perde a agenda pelo menos umas sete vezes por mês, que faz a melhor carne de panela e massa caseira do mundo e que ronca até sem ter dormido (“ainda nem peguei no sono!”, diz ela). Aquela que reclama estar cansada de tanto trabalhar mas não abandona a venda dos seus queridos cosméticos Pierre Alexander por nada nesse mundo. Aquela por quem meu coração quase pára de tanta saudade. Aquela que não pode ficar muito tempo longe de casa pois tem nosso querido Zug pra cuidar, dando comida, sorvete, pipoca (como toda vó faz) ao invés de ração. Vive querendo achar alguém pra cuidá-lo mas quando acha percebe que não vive mais sem o inigualável bichano. Até ar condicionado o bicho  tem pra passar esse terrível verão gaúcho. Aquela que tem fé infinita nos fazendo acreditar em milagres. Aposto que ainda vai virar pastora. Aquela que é minha heroína, sendo vencedora diária dessa batalha chamada Vida. Aquela que construiu essa família linda e iluminada da qual sinto falta em todos os minutos do meu dia. Aquela que amanhã, dois de fevereiro, competa 70 ANOS de beleza, disposição e saúde! PARABÉNS MINHA GUERREIRA! Meu AMOR é tão grande que fica impossível expressá-lo apenas em palavras. TE AMO, MÃE!!! Beijos e abraços sem fim.

A little girl makes ​​a small gesture of solidarity to some street musicians and receives in exchange a wonderful and exciting surprise.

Mas que saudade do meu Rio Grande, tchê! Porque domingo é dia de churrasco ao som de música gauchesca.

E não tem como não lembrar do meu velho que adorava andar pilchado. Miss you, daddy!

Bom domingo, aos gaúchos do meu coração!

Eu ando pelo mundo divertindo gente, chorando ao telefone…

"O essencial é invisível aos olhos." Já dizia Antoine de Saint-Exupéry. E foi assim que conheci a Thais Gozzi, quando estava procurando casa para morar logo que cheguei em Dublin, lá em março de 2012. Aqui é assim, a gente passa a morar e a compartilhar o mesmo quarto com desconhecidos, como se fosse um sorteio. Minha mãe nunca entendeu direito como isso funciona, mas aqui depois de algum tempo isso é tão normal como comprar passagem barata pela Ryanair e viajar pela Europa (fazendo com que o povo do Brasil ache que ficamos ricos). Foi num anúncio no grupo Classificados Dublin, no Facebook, que encontrei essa amiga única que hoje posso chamar de irmã. Por mais de um ano dividíamos um quarto minúsculo onde só tinha espaço para dormirmos. Era uma confusão quando queríamos nos arrumar pra sair, já que nós duas somos “um pouco” bagunçadas e tínhamos que dividir, em meio à bagunça, o grande (pelo menos uma coisa grande nesse quarto!) espelho que ficava na parede de uma das camas. Tudo piorava quando inventávamos de beber antes da maquiagem! E ainda assim, dava-se um jeito de criar mais um inacreditável espaço para alguém (leia-se amiga) dormir no chão deste mesmo quarto, né Juzinha! Sim, fazíamos mágica num espaço de dois metros quadrados talvez. Nem queira imaginar o estado desse quarto no domingo, ou sábado, ou quem sabe na quarta-feira de ressaca. Além da dor de cabeça típica, aquela sede capaz de beber o Liffey River, era hora de recuperar o rímel que caiu atrás da cama, os documentos que devem estar na bolsa de alguém (ou foram roubados), ver que gastou os 50 euros que levou e ainda o dinheiro da amiga e dar uma geral na casa, principalmente na cozinha, que foi descaradamente atacada na volta da balada. Essa Chamber Street têm histórias!Mas era hora de mudar, hora de deixar os problemas naturais de convivência (6 pessoas dividindo a mesma casa) para buscar uma convivência mais harmoniosa e tranquila. Eis que passo a dividir um flat apenas com a Thais, que já era a irmã que Dublin me deu. Foi tudo que sempre sonhamos. Não seria o maior dos apartamentos, mas pelo menos tinha espaço para mais amigos. Inclusive, foi possível receber minha mãe e meus irmãos ainda com algum conforto. Claro que a Tha, como a melhor flatmate que alguém poderia ter, sem se importar foi dormir na casa da amiga no período em que estiveram aqui.Mas como nem tudo sai como planejamos, nossa tranquilidade chega ao fim, e é hora de mudarmos outra vez, infelizmente, para casas diferentes. MUITA falta vou sentir dessa paulista linda, com um coração sem igual, vaidosa, bagunçada que nem eu, longe de ser careta, e agora apaixonada feito adolescente. Ta parecendo declaração de amor né? A verdade é que eu AMO ela mesmo e não escondo de ninguém.Só nos mudaremos de casa. Ainda quero muitos momentos como o que tivemos no último domingo, ou na Alemanha, na Bélgica, em Londres, no The Mezz, na Diceys, no Fitzsimons e em tantos outros lugares. Que venha Amsterdam e tudo o que desejarmos! :)O essencial permanece, marida! 

"O essencial é invisível aos olhos." Já dizia Antoine de Saint-Exupéry. E foi assim que conheci a Thais Gozzi, quando estava procurando casa para morar logo que cheguei em Dublin, lá em março de 2012. Aqui é assim, a gente passa a morar e a compartilhar o mesmo quarto com desconhecidos, como se fosse um sorteio. Minha mãe nunca entendeu direito como isso funciona, mas aqui depois de algum tempo isso é tão normal como comprar passagem barata pela Ryanair e viajar pela Europa (fazendo com que o povo do Brasil ache que ficamos ricos). Foi num anúncio no grupo Classificados Dublin, no Facebook, que encontrei essa amiga única que hoje posso chamar de irmã. Por mais de um ano dividíamos um quarto minúsculo onde só tinha espaço para dormirmos. Era uma confusão quando queríamos nos arrumar pra sair, já que nós duas somos “um pouco” bagunçadas e tínhamos que dividir, em meio à bagunça, o grande (pelo menos uma coisa grande nesse quarto!) espelho que ficava na parede de uma das camas. Tudo piorava quando inventávamos de beber antes da maquiagem! E ainda assim, dava-se um jeito de criar mais um inacreditável espaço para alguém (leia-se amiga) dormir no chão deste mesmo quarto, né Juzinha! Sim, fazíamos mágica num espaço de dois metros quadrados talvez. Nem queira imaginar o estado desse quarto no domingo, ou sábado, ou quem sabe na quarta-feira de ressaca. Além da dor de cabeça típica, aquela sede capaz de beber o Liffey River, era hora de recuperar o rímel que caiu atrás da cama, os documentos que devem estar na bolsa de alguém (ou foram roubados), ver que gastou os 50 euros que levou e ainda o dinheiro da amiga e dar uma geral na casa, principalmente na cozinha, que foi descaradamente atacada na volta da balada. Essa Chamber Street têm histórias!

Mas era hora de mudar, hora de deixar os problemas naturais de convivência (6 pessoas dividindo a mesma casa) para buscar uma convivência mais harmoniosa e tranquila. Eis que passo a dividir um flat apenas com a Thais, que já era a irmã que Dublin me deu. Foi tudo que sempre sonhamos. Não seria o maior dos apartamentos, mas pelo menos tinha espaço para mais amigos. Inclusive, foi possível receber minha mãe e meus irmãos ainda com algum conforto. Claro que a Tha, como a melhor flatmate que alguém poderia ter, sem se importar foi dormir na casa da amiga no período em que estiveram aqui.

Mas como nem tudo sai como planejamos, nossa tranquilidade chega ao fim, e é hora de mudarmos outra vez, infelizmente, para casas diferentes. MUITA falta vou sentir dessa paulista linda, com um coração sem igual, vaidosa, bagunçada que nem eu, longe de ser careta, e agora apaixonada feito adolescente. Ta parecendo declaração de amor né? A verdade é que eu AMO ela mesmo e não escondo de ninguém.

Só nos mudaremos de casa. Ainda quero muitos momentos como o que tivemos no último domingo, ou na Alemanha, na Bélgica, em Londres, no The Mezz, na Diceys, no Fitzsimons e em tantos outros lugares. Que venha Amsterdam e tudo o que desejarmos! :)

O essencial permanece, marida! 






If I could put my heart on paper and ink for you, I would have done it. Not because I’m crazy but to show you how much I love you. Wishing you a very Happy Birthday! :)

If I could put my heart on paper and ink for you, I would have done it. Not because I’m crazy but to show you how much I love you. Wishing you a very Happy Birthday! :)

Thai food and six nationalities!
Today I had my first experience with thai food and it was simply great.
The delicious menu was:
Prawn soup - Tom Yum Goong
Red chicken curry - Gaeng Phed Gai
Green chicken curry - Gaeng Khiao Wan Gai
Basil chicken fried - Khao Pad Kra Prao Gai
Thai rice
And to top this yummy feast off we had fried banana with coconut toffee and vanilla ice cream as dessert.
We were in seven people, six different nationalities: Russian, Italian, Scottish, Irish, Thai and Brazilian. The culture mix is always awesome!
Thanks Nic for inviting and promoting these amazing moments. See you next time, guys!
I always wanted to know Thailand but after today I really want to!

Thai food and six nationalities!

Today I had my first experience with thai food and it was simply great.

The delicious menu was:

Prawn soup - Tom Yum Goong

Red chicken curry - Gaeng Phed Gai

Green chicken curry - Gaeng Khiao Wan Gai

Basil chicken fried - Khao Pad Kra Prao Gai

Thai rice

And to top this yummy feast off we had fried banana with coconut toffee and vanilla ice cream as dessert.

We were in seven people, six different nationalities: Russian, Italian, Scottish, Irish, Thai and Brazilian. The culture mix is always awesome!

Thanks Nic for inviting and promoting these amazing moments. See you next time, guys!

I always wanted to know Thailand but after today I really want to!

Parto em meio à natureza e junto da família.
Um dos vídeos mais incríveis que já assisti!!!